sábado, 10 de novembro de 2012

“Marcadores”



Ainda hoje, mais de três décadas depois, continuo a não poder entrar numa papelaria sem reparar nos conjuntos de marcadores que as prateleiras – sabendo-o e abusando da minha pessoa - exibem. 

Confesso que, de cada vez que recebia ou comprava um daqueles conjuntos de marcadores “Molin” com 12 exemplares, cada um da sua cor, os meus olhos brilhavam. Ficava fascinado ao usar um e outro, seguidos de outro e mais outro, e mais outro, e voltar aos me
smos…

É um facto que, dos 12 marcadores, uns (des)gastavam-se mais depressa do que os seus vizinhos de embalagem, pelo uso, claro. E isso, logicamente, servia sempre de pretexto para tentar conseguir novas remessas… E, já agora, registe-se que, naqueles anos 70 e 80, não existia a tamanha quantidade de papelarias (ou espaços com papelaria) que temos à nossa mercê nos dias que correm, caso contrário, lá se ia o porta-moedas que também servia para os “kalkitos”, “bombocas” e “cromos”… 

Isto dos marcadores, além das cores em si e do cheiro muito particular, geravam um outro vício, o que roer as suas tampas brancas. Nem mais! E roía-as tanto que, como se imagina, acabavam por deixar de poder exercer a sua inestimável função: impedir que a tinta desses tais marcadores se evaporasse mais rapidamente e, por conseguinte, aumentar o período que distanciava a vinda de uma nova colecção de mais 12 daquelas canetas fantásticas, as às cores.

E por falar em muitas cores, mesmo muitas cores, seguiu-se uma outra altura em que, quase que por milagre, surgiram no mercado embalagens com 24 canetas de filtro e, se não estou em erro, também embalagens com 36 unidades. Cores essas que, na verdade, já dificilmente se distinguiam umas das outras, mas alimentavam ainda mais e melhor o tal “vício”, nem que fosse para colorir coisa nenhuma, já que, assumo, eu e os desenhos não tínhamos “belas” relações, por minha causa, claro. 

- Quem é que continua a não resistir aos marcadores, aos da “Molin”?

Eu não, pelo menos mentalmente, já que, na prática, nem os vejo, ou melhor, nem os tenho. (sorrisos)

Kiko

1 comentários:

Paula_2700 milhas disse...

Fez-me viajar no tempo, já não me lembrava das canetas Molin e dos Kalkitos, ehehe!

Acerca de mim

A minha foto
Portugal
Sempre algures entre o hoje e o amanhã, sem esquecer a memória.

JACKPOT

JACKPOT
Música Anos 70, 80 e 90

Porto Canal

Porto Canal

O Livro do Ano

O Livro do Ano
Escrito por uma Deusa e um Sonhador... em nome de um Ângelo

...Sempre...

...Sempre...

Blog Archive