segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

A Dor da Coragem

É triste quando se ouve falar de alguém que teve a coragem de apagar a própria chama. Mais ainda quando a vida fica a dever muitos anos ao caminho de uma amalgama de cruzamentos que parecem não ser mais do que um labirinto sem alternativas.
É preciso ter muita coragem para cometer suicídio e mais coragem ainda para o tentar por duas vezes no espaço de uma semana...
Terá sido para alertar os "próximos" de que, afinal, nem tudo estava bem? Terá sido para adormecer os "fantasmas" de um percurso com algumas trevas?
Não sou íntimo para poder basear a minha opinião, nem tão pouco tenho estofo para questionar opções demasiado "unas", demasiado finitas.
Mas é triste, muito triste ver aqueles ombros da experiência carregados de uma dor lapidar, a dor de enterrar uma filha, a dor do "não ir primeiro", como apregoa o destino.
Deste drama cremado mas jamais morto, registo como alternativa o sorriso da vida que ecoa aqui ao meu lado e que, por instantes, me fez pensar nessa dor que, felizmente, me retira a coragem.

6 comentários:

JOOX ETZEL disse...

Que possamos ouvir esses ecos até ao nosso último dia e se prolonguem para lá de nós, sinal que a ordem das coisas afinal existe.

Abraço

julia disse...

É de todo impossível perceber o que poderá passar na cabeça de uma pessoa que toma uma atitude destas. Seja em que circunstâncias for, nunca consegui perceber se este é um acto de coragem (uma vez que, na maioria das vezes, tudo é planeado ao pormenor), ou de verdadeira cobardia (por não se querer continuar a enfrentar os problemas que diariamente vão surgindo). A nós que cá ficamos, restam-nos as boas recordações (muitas) e o tentar contornar aquele sentimento de impotência por não termos percebido a tempo, o pedido de ajuda.
Apesar deste exemplo tão próximo, continuo a querer ter a lucidez suficiente para ultrapassar tudo o que de menos bom a vida tem para me "oferecer".
Beijinhos e bom início de semana

paulofski disse...

Confesso que não sou capaz de afirmar se é um acto de coragem ou de cobardia. Quem voluntariamente põe o fim à sua vida deve estar no limite do desespero e da tristeza, cujos sinais ou pedidos de ajuda ou não terão sido notados por alguém que simplesmente fingiu não ver, ou o mais provável é nem ter pedido ajuda a ninguém. Não creio que seja coragem ou cobardia, é mero sofrimento.

macaw disse...

sinto pena que por vezes cheguemos a esse ponto de não suportarmos mais a dor que nos sufoca e não censuro ninguém que tome tal atitude, porque acredito que seja um acto num momento de desespero em que não se está em condições de pensar correctamente, ou de nos lembrarmos da dor que vamos causar àqueles que amamos, ou de nos lembrarmos que a dor não é eterna e tudo melhora mais tarde ou mais cedo, etc, etc. resta apenas desejar que a dor para os que ficam não dure muito tempo.
espero não fazer parte do grupo que desiste e conseguir sempre encontrar forças para seguir em frente por mais dura que seja a vida, porque apesar de tudo vale a pena viver!

bjinhos ;)

joana disse...

Existem momentos na vida de cada um muito complicados,mas para chegar a um extremo destes,acho que ja perdemos tudo na vida quando decidimos por fim a esta.
Tens desafio no meu cantinho
Beijos aos tres

Lu.a disse...

Nem comento...! :(

Acerca de mim

A minha foto
Portugal
Sempre algures entre o hoje e o amanhã, sem esquecer a memória.

JACKPOT

JACKPOT
Música Anos 70, 80 e 90

Porto Canal

Porto Canal

O Livro do Ano

O Livro do Ano
Escrito por uma Deusa e um Sonhador... em nome de um Ângelo

...Sempre...

...Sempre...

Blog Archive