terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Voz da Solidão

As nossas ruas andam lotadas de gente sozinha, daquela que tem 5 mil amigos.
Farto-me de ler rostos que andam a deambular pelos becos de "outras histórias", vestidos de um "cinzento-não-me-toques".
E, não, nem toda a falta de cor se prende exclusivamente com problemas trazidos pela tal "crise". Refiro-me aos tantos que sentem falta de vida, falta de gente, mesmo neste mundo do: "todos mais perto de todos", que a globalização fomenta virtualmente.
Incomoda-me, e muito, assistir ao olhar vazio de quem gostaria de ver e ser mais além, de viver (mesmo!) naquele metro quadrado que, tantas vezes timidamente, pisa. Sim, naqueles centímetros que chegam a estar mais distantes do que os outros do outro lado do mundo, e que, noutros tempos, não precisavam de "banda larga".
Há cada vez mais solitários que já não "sabem" viver naquele metro quadrado onde as coisas acontecem mesmo, sejamos um "zero" ou não, à esquerda ou à direita.
Incomoda-me imenso sentir que há tantos ímpares rodeados de milhares sem encontrarem pares, e muitas das vezes por falta de "visão", algures naquela desculpa enferrujada de quem já levou muitos "estalos" dos outros, dos "vivos"... E que, talvez por isso - e por ser mais fácil, prefere ser invisível na rua das quedas e visível na "web" dos sonhos, onde as surpresas são menores e os estalos doem menos...
Faz-me confusão, ainda mais hoje, com todas estas "ofertas", com todas estas oportunidades, com todas estes "truques" (simples), que nos permitem chegar a todo o lado, a toda a gente, acabar por se estar, afinal, cada vez mais só.
- Já repararam que há cada vez mais solitários, sem se aperceberem de que o são?!
- Estarei com isto a dizer que os solitários somos nós?
Que parvoíce! Temos familiares, amigos, conhecidos, para não falar do "Facebook"... Até somos o "Rei" do café!
É, mas sem dar por isso, ano após ano, vamos perdendo os brilhantes da "coroa", trocando-os por "enfeites" virtuais, e, sem nos apercebermos, deixando cair os abraços e a voz....

Francisco Moreira

2 comentários:

Sus disse...

Sou obrigada a concordar contigo, cada vez é mais fácil chegar aos outros, mas os centímetros que nos separam ficam cada vez mais longe!
Excelente reflexão!

Beijos!

FM disse...

Infelizmente, Sus, infelizmente.
Beijos de LUZ.

Acerca de mim

A minha foto
Portugal
Sempre algures entre o hoje e o amanhã, sem esquecer a memória.

JACKPOT

JACKPOT
Música Anos 70, 80 e 90

Porto Canal

Porto Canal

O Livro do Ano

O Livro do Ano
Escrito por uma Deusa e um Sonhador... em nome de um Ângelo

...Sempre...

...Sempre...

Blog Archive