sábado, 15 de março de 2008

Pimenta

Há alturas em que a pimenta faz uma falta incrível... As pessoas já nem se apercebem dos palavrões que proferem, não reparam onde os expressam e muito menos se apercebem do que dizem.
Obviamente que os comuns palavrões já quase foram "ingeridos" pelo dicionário Português, a sua utilização pelo inculto ou instruído já tem pouca margem de manobra em termos de distância. O palavrão acaba por transformar-se numa ponte em que uma determinada palavra poupa tempo e reduz a quantidade de expressões a que teríamos que recorrer para explicar o pretendido. Numa palavra apenas, fica tudo dito e explicado.
No entanto, o problema não passa pelo dizer dos palavrões mas sim pela sua localização que, tantas vezes - em termos de estratégia, transforma o seu interlocutor numa figura difícil de gerir. Eu explico; quando o palavrão tem decibéis a mais e espaço em vão a menos, há fortes hipóteses de o palavrão facilmente aceite num círculo fechado se transformar numa barbaridade de 3º escalão.
Resumidamente; a pimenta faz falta não na língua mas na cabeça.

4 comentários:

Olá!! disse...

Há formas sublimes de dizer um palavrão, sem agredir... mas tens razão, as malaguetas fariam bem a muita gente...

FM disse...

Se faziam, se faziam...

Mize disse...

Se fazem...

FM disse...

Pois fazem Mizé.

Acerca de mim

A minha foto
Portugal
Sempre algures entre o hoje e o amanhã, sem esquecer a memória.

JACKPOT

JACKPOT
Música Anos 70, 80 e 90

Porto Canal

Porto Canal

O Livro do Ano

O Livro do Ano
Escrito por uma Deusa e um Sonhador... em nome de um Ângelo

...Sempre...

...Sempre...

Blog Archive